Foto: Jonathan Campos/AEN

Com investimento de R$ 7,3 milhões, governador autoriza construção da Cadeia Pública de Arapongas

(AE NOTÍCIAS)

O governador Carlos Massa Ratinho Junior assinou nesta segunda-feira (19) a ordem de serviço que autoriza as obras de construção da Cadeia Pública de Arapongas, no Norte do Paraná. A nova unidade terá 136 vagas para presos masculinos, e visa melhorar o sistema penitenciário estadual. A assinatura foi realizada em um ato no Palácio Iguaçu.

“Essa é uma obra que Arapongas pede há mais de 20 anos. Com esse investimento, vamos criar uma cadeia que segue a finalidade de uma construção moderna, que traz mais segurança e um ambiente mais higiênico e sociável para quem está pagando sua pena”, afirmou o governador.

O complexo será um Centro de Detenção Provisória (CDP), local onde ficam os presos que ainda aguardam julgamento. O espaço será construído em um terreno de cerca de 2 mil metros quadrados, doado pelo município. O investimento será de R$ 7,3 milhões, financiado com recursos do Tesouro do Estado. A expectativa é que a obra leve 12 meses, sendo finalizada em julho de 2022.

O prefeito de Arapongas, Sergio Onofre, reforçou que a obra é esperada com ansiedade pela população. “Arapongas ganha um grande presente hoje. Nossa cadeira atualmente fica dentro da cidade, e precisa sair de lá. Com essa nova construção, a gente vence essa barreira. Além disso, tenho certeza que haverá também uma valorização do local onde o presídio será desmanchado”, explicou.

O terreno onde será construído o CDP fica na Rua Rouxinol, na região do Parque Industrial XI, ao Sul da cidade. O terreno foi cedido pela prefeitura de Arapongas à Secretaria do Desenvolvimento Urbano e de Obras Públicas (SEDU), por meio da Paraná Edificações. A escritura definitiva da doação foi assinada pelas partes em maio deste ano.

A obra faz parte do planejamento estratégico da Secretaria de Estado da Segurança Pública para melhoria do sistema penitenciário do Paraná. Uma das metas é reduzir o número de presos em delegacias, abrindo novas vagas e transferindo-os para presídios. Desde 2019, o número passou de 12 mil para 800 presos, atualmente.

“Acredito que, com as novas penitenciárias sendo entregues pelo Estado, a gente consiga zerar esse assunto com a Polícia Civil e organizar, dentro do Paraná, um fluxo para que não haja mais superpopulação de presos”, afirmou o secretário da pasta, Romulo Marinho Soares.

“Nossa meta é zerar esse número, colocando essas pessoas em locais mais adequados e deixando que a Polícia Civil cumpra sua finalidade de investigação”, complementou o governador.

A Sesp entregou três novas unidades penais em dois anos e meio: a Cadeia Pública de Campo Mourão, no Centro-Oeste do Paraná, com 382 vagas; a ampliação da Penitenciária de Foz do Iguaçu I, no Oeste, com 501 vagas; e o Centro de Integração Social (CIS), no Complexo Penitenciário de Piraquara, Região Metropolitana de Curitiba, com 216 vagas para presas mulheres.

ESTRADAS RURAIS – No evento, o governador também assinou um convênio do Programa Estradas da Integração, que tem como objetivo melhorar a trafegabilidade nas zonas rurais dos municípios. O documento libera o investimento de R$ 2,4 milhões para a pavimentação poliédrica de duas estradas rurais com pedras irregulares. As obras serão realizadas no trecho Bandeirantes, com 2,55 quilômetros, e no trecho Novo Mundo, com 6 quilômetros, totalizando 8,5 quilômetros.

“Arapongas está sendo agraciada com esse investimento que vai pavimentar quase 10 quilômetros em estradas rurais que são grandes artérias da produção do agronegócio da cidade. Isso melhora a infraestrutura e a logística para os agricultores e leva melhores condições de trabalho para quem vive no campo”, acrescentou o governador Ratinho Junior.