Depois de 20 anos, os antigos – e perigosos – trapiches em Nova Brasília e Encantadas, na Ilha do Mel, estão sendo substituídos. As obras, pela empresa Portos do Paraná, fazem parte de medida compensatória de licenciamento ambiental da dragagem de aprofundamento do Porto de Paranaguá, conforme orientação do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis – IBAMA.

Na verdade, a importante atração turística paranaense está ganhando toda uma nova estrutura para atender bem os turistas. Ambos os trapiches recebem uma área flutuante, que dará acessibilidade e conforto aos usuários no embarque e desembarque de passageiros. Outras intervenções que irão valorizar bastante a Ilha do Mel são as novas coberturas, novos guarda-corpos, iluminação, piso (no trapiche da Encantadas), substituição de escadas de acesso às embarcações, novas defensas para preservação da superestrutura e cabeços de amarração para as embarcações, execução de novo quebra-ondas (no trapiche de Encantadas), mobiliário. E também um píer constituído por 3 flutuantes e estacas de fixação, rampa articulada de acesso, flutuantes intermediários e estacas de fixação, acessórios de atracação e amarração, placas de sinalização turísticas e de segurança e iluminação em LED. 

Os investimentos, pela Portos do Paraná, são de cerca de 9,5 milhões de reais. A autorização para o início das obras aconteceu no dia 27 de fevereiro de 2020, estando presentes o Governador Ratinho Junior e o Ministro da Infraestrutura Tarcísio Gomes de Freitas.

A empresa responsável pelas obras é a Construtora AJM Eireli, vencedora da licitação. Ela tem sede em Jaraguá do Sul (SC) .

Na ocasião, o Governador destacou que a Ilha do Mel é um cartão-postal do Paraná e que nunca teve tratamento adequado do poder público em termos de acessibilidade e infraestrutura. Transformar essa realidade, disse, é uma das prioridades do Estado. “São trapiches extremamente modernos, com segurança”, disse o governador. “Temos um grande pacote de investimentos para a Ilha do Mel, dentro do conceito de turismo sustentável. Queremos buscar mais turistas e atender melhor os moradores”.

Ele também disse que o Estado desenvolve ideias em parceria com os barqueiros para modernizar a travessia e citou a entrega de duas estações de recolhimento de resíduos sólidos e os projetos de tratamento de esgoto e de dragagem, que estão em andamento. “O turista quer infraestrutura adequada. A maior vocação do Litoral é o turismo, e o que mais vai crescer é o turismo de natureza. O Paraná é o Estado que mais tem potencial nessa área. Temos um grande pacote de obras para transformar a realidade do Litoral”, complementou Ratinho Junior.

O ministro da Infraestrutura disse que o potencial turístico da Ilha do Mel é imenso e que a integração entre o porto e as comunidades litorâneas é um exemplo para o País. “Esses recursos serão indutores do desenvolvimento sustentável e vão potencializar a região. Todos os brasileiros deveriam conhecer esse lugar”, afirmou Tarcísio Gomes de Freitas. Foi a primeira visita de um ministro em exercício do cargo na praia de Encantadas.

Os antigos trapiches foram instalados há 20 anos e sofrem com a ação do tempo e da maresia, causando riscos para as pessoas. Eles repercutem mal para a Ilha do Mel em função das estruturas debilitadas e antigas, avalia Gilberto Espinoza, dono de uma pousada há 24 anos na praia de Encantadas. “Essa ação é muito bem-vinda. A Ilha do Mel é um dos cinco destinos que as pessoas recebem dos operadores de turismo para visitar no Sul do País. Queremos qualificar o turismo, agregar serviços e melhorar a oferta de possibilidades na região nos próximos anos”, concluiu.

Márcio Nunes, secretário de Desenvolvimento Sustentável e Turismo, disse que os trapiches são parte de uma programação muito extensa de obras na Ilha do Mel. “O que faltava era esse olhar diferenciado. Estamos dando condições melhores para os serviços, hospedagem, destinação dos resíduos. Temos as águas mais limpas do País e queremos turistas o ano todo. A Ilha do Mel está muito perto de grandes conglomerados urbanos como Curitiba, Ponta Grossa e São Paulo, temos que aproveitar essa localização estratégica e a sua beleza natural”, acrescentou.