Cartilhas sobre pesca artesanal aproximam Porto e pescadores em São Francisco do Sul

As três cartilhas

Publicação teve três edições produzidas com dados da empresa de Acquaplan Tecnologia e Consultoria Ambiental e ajudam profissionais a conhecerem melhor o próprio ganha-pão

O Porto de São Francisco do Sul apresentou em fevereiro a terceira edição da cartilha “Informativo da Pesca”. Com o tema “Os Peixes da Baía da Babitonga e Região Costeira”, a publicação reúne dados sobre as espécies capturadas em atividades pesqueiras artesanais na baía da Babitonga. Também apresenta informações importantes, como períodos de defeso, ocorrência de espécies exóticas e a vulnerabilidade das espécies ameaçadas.

As informações foram obtidas em estudos realizados pelos analistas, educadores ambientais e colaboradores da empresa de consultoria Acquaplan Tecnologia e Consultoria Ambiental Ltda. nos últimos dez anos, junto aos pescadores artesanais da baía da Babitonga. A empresa, com sede em Balneário Camboriú, é contratada pela SCPar Porto de São Francisco do Sul e responsável pela execução dos Programas Ambientais.

A terceira edição da cartilha “Informativo da Pesca” segue a linha das duas edições anteriores do informativo, lançadas em 2019 e 2020, com dados, ilustrações e imagens exclusivas. A primeira edição, intitulada “Monitoramento da Pesca Artesanal na Baía da Babitonga e Região Costeira Adjacente”, apresentava dados do monitoramento da pesca artesanal na Babitonga, com informações sobre as espécies mais capturadas, períodos de maior captura e petrechos de pesca utilizados.

Já a segunda edição teve foco na pesca do camarão na baía da Babitonga e na região costeira próxima à desembocadura, detalhando as espécies mais capturadas, os períodos de safras e informações sobre o defeso.

As três edições estão disponíveis para leitura gratuita nas redes sociais do Grupo Acquaplan. “Com estas cartilhas acreditamos estar contribuindo para uma aproximação maior do Porto de São Francisco do Sul com os pescadores artesanais da Babitonga, a fim de estreitar relacionamentos institucionais e contribuir para um conhecimento mais aprofundado e técnico-científico sobre a atividade pesqueira artesanal na baía, uma das mais importantes do país”, comenta o diretor do Grupo Acquaplan, Fernando Luiz Diehl.